sexta-feira, 28 de maio de 2010

Roupas, fotos e jóias de Frida Kahlo são achadas 50 anos depois da morte da pintora

Fotos da casa de Frida Kahlo

Roupas, fotos e jóias que pertenceram à pintora mexicana Frida Kahlo foram achadas dentro de caixas de papelão que estavam guardadas em um dos banheiros da casa em que ela viveu com seu marido, o muralista Diego Rivera, na Cidade do México.

"Em outubro passado encontramos os objetos e imediatamente mandamos restaurá-los", disse Hilda Trujillo, coordenadora da Casa-Museu Frida Kahlo, situada no bairro colonial Coyoacán, no sul da Cidade do México.

Os objetos achados permaneceram guardados por 50 anos.

Depois da morte de Kahlo, em 13 de abril de 1954, alguém guardou com muito cuidado 180 vestidos e dezenas de outros objetos pessoais da pintora.

As peças foram achadas por trabalhadores da chamada "Casa Azul", assim conhecida por causa da cor de suas paredes externas.

A descoberta, qualificada por Trujillo como "extraordinária", se deu após um projeto de dois anos para a reforma do lugar.

Ainda não há dados precisos sobre a data dos objetos, mas se presume que os vestidos são os mesmos usados por Frida em seus auto-retratos.

Os vestidos, que tinham fungos, traças e estavam muito sujos, foram restaurados pelo pessoal do museu.

"Não temos dados precisos sobre a época em que Frida usou os objetos, mas quem conhece a obra de Frida pode imaginar que os vestidos com os quais ela aparece em seus quadros são os mesmos que encontramos", disse Trujillo.

Informações fornecidas pela aluna Helena Cardoso.

Página 136 do Diário de Frida Kahlo

Se apenas eu tivesse as suas carícias em mim,
como o ar que toca a terra - a realidade da sua pessoa,
fazer-me-ia mais feliz, levar-me-ia para longe do sentimento que me enche de cinzento.
Nada em mim seria tão profundo, tão final.
Mas, como lhe explico a minha necessidade enorme de ternura! A minha solidão de anos.
A minha estrutura deformada devido à sua carência de harmonia, a sua inaptidão.
Eu penso que seria melhor partir, partir e não fugir.
Que tudo terminasse num instante. Oxalá.

Frida Kahlo.

Material enviado pela aluna Helena Cardoso.

domingo, 16 de maio de 2010

Frida

Por Anielly

Mulher que nasceu da ardência, cresceu no drama, vestiu-se em cores, pôs badulaques nas dores e se refletiu em tintas nas telas.
Mulher a frente de seu tempo que afirmou a liberdade feminina, o sonho de um mundo mais justo, bonito e enfeitado, onde o requintado é emotivo, e o humano é místico e revolucionário.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Amor sem igual

Frida Kahlo y Diego Rivera - 1931

Frida tinha um amor sem igual por Diego Rivera, seu marido. Aceitava sua maneira de ser, inclusive suportando suas infidelidades. Disse certa vez que o amava mais que a si própria, e em suas telas Diego é um tema frequente.
Neste vídeo podemos ver alguns dos momentos dos dois. Ao final, Diego deixa uma bela declaração de amor a Frida, que seguramente, teria ficado muito feliz em ouvi-la em vida.



Por Andréa Silveira.